O clã Cassol e o cerco à floresta

O nome do ex-senador Ivo Cassol mais uma vez na mira da Justiça. E por irregularidade no processo de posse de terras. A questão envolve uma fazenda da família no município de Alta Floresta D´Oeste, em Rondônia, Reivindicada por indígenas e quilombolas, a área na qual se localiza a fazenda Mequéns se espraia por 12 mil hectares e está no centro de um processo de privatização marcado por uma série de irregularidades fundiárias denunciadas pelo Incra.

Para os indígenas, sob aquelas terras – e parte do distrito de Porto Rolim – se assenta um sítio arqueológico. Mas é a partir de sua sede imponente, que o ex-governador e ex-senador Cassol e sua família imperam como reis do gado, conforme relato da jornalista Julia Dolce, da Agência Pública (apublica.org/).

Segundo a reportagem, foi partir de 2005, quando Cassol ainda era governador, que seus três filhos adquiriram a fazenda da família de Sebastião Ferraz de Camargo, fundador da construtora Camargo Correa.

O atual superintendente regional do Incra, Ederson Littig Bruscke confirmou à Agência Pública que o processo sobre a posse da fazenda sugere o cancelamento dos contratos, uma vez que as terras vendidas originalmente por agricultores à família Camargo Correa são públicas. Daí que deveriam ser devolvidas à União, mas não há confirmação sobre a continuação do processo por parte do Incra.  

Pública apurou que a história vem desde o início da década de 80, quando o Incra teria vendido por meio de contratos de promessa de compra e venda a supostos lavradores, que em seguida, as teriam repassado ao Camargo Correa – pelo mesmo valor pelo qual tinham sido adquiridas, em flagrante quebra de contrato, que proibia a sua revenda.  

De acordo com a publicação, a família Cassol alega que desconhecia a situação irregular da área em que está a fazenda. Mas que, estando tudo “escriturado”, a terra é deles. “Pra mim estava tudo certo”, afirma Ivo Junior Cassol, para quem 90% do território de Rondônia teria alguma pendência quanto à regularização de posse. O depoimento da anciã Maura Wajuru, que testemunhou o processo de desde o início, contradiz as alegações de Junior. “Eles trataram de expulsar os indígenas que viviam por lá.” Maura e os 30 remanescentes de seu povo, junto com os quilombolas aguardam o processo de regularização daquelas terras.

Natural de Concordia, em Santa Catarina, Ivo Cassol, o conhecido Maçaranduba, emigrou com sua família para Rondônia, ainda adolescente. A história dos Cassol começa com a aquisição, por parte de seu pai, de um lote em Santa Luzia d´Oeste, região então rica em mogno. À exploração do setor madeireiro somou investimentos na área de geração e distribuição de energia elétrica, a partir de incentivos do governo federal. E daí saltou para a política.

A partir daí sua trajetória – seja como prefeito, governador ou senador – foi marcada pelo que há de mais nefasto na política brasileira. Em 2013, foi condenado pelo STF por fraude em licitações, a quatro anos e oito meses em regime semiaberto. Mas o Congresso decidiu preservar seu mandato  

Inelegível até 2030, Cassol, segundo A Pública, coleciona pelo menos três embargos ambientais por desmatamento em Alta Floresta, com multas que somam R$1,3 milhão. Em 2017, os filhos também registram condenação pelo desmatamento de 300 hectares da fazenda Mequéns. Nenhuma foi paga: o clã recorreu de todas.   

Os povos indígenas sob risco

O caso Cassol é emblemático no avanço progressivo do desmatamento na Amazônia e o aniquilamento das comunidades indígenas. No último dia 3, três ONGs brasileiras apresentaram na ONU um documento denunciando o desmonte do aparato ambiental no último ano e o risco de massacre iminente de populações indígenas – particularmente as que permanecem isoladas. De acordo com o documento, só em 2019 foram desmatados mais de 21 mil hectares, o que representa um aumento de 113% em relação ao ano anterior.

Esse percentual é, ainda segundo o relatório, um aumento muito superior aos valores médios observados na Amazônia. O Brasil é o país de maior presença confirmada de povos isolados no mundo. Os dados apontam para 115 registros, sendo 28 confirmados. Outros 86 povos ainda têm existência sob investigação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s