Pandêmicas

Bolsonaro quer que o Congresso aprove medida provisória antes de publicar a sanção ao auxílio emergencial de 600 reais para os trabalhadores informais e mais vulneráveis. O capitão quer que o Congresso avalize a criação de novas despesas e aponte a fonte de recursos. Para isso ficou de manda uma medida provisória hoje. “Uma canetada minha errada é crime de responsabilidade”, justificou. “Vocês querem que eu cave minha própria sepultura? Não vou dar esse prazer para vocês”, disse aos jornalistas que o acompanham.

Analistas dizem que a MP não é necessária. O economista José Roberto Afonso, um dos responsáveis pela Lei de Responsabilidade Fiscal, há dias vem martelando na mesma tecla: não é preciso de amparo legal extra para começar a efetuar os pagamentos. “Não falta autorização”, diz. “O Congresso já aprovou estado de calamidade pública em todo país. Não falta recursos, tem que sair da dívida pública.”

O que falta é ação do governo do capitão. Preocupado com sua sepultura, vai acabar enterrando milhares e milhares de brasileiros, que contam com a ajuda extra e com urgência. Os mesmos com quem ele diz estar preocupado pela falta de renda.  

*

“O governo está embromando”, emenda Monica De Bolle, economista e professora da Universidade John Hopkins, dos Estados Unidos. O comentário foi feito hoje (2) durante debate promovido pela Oxfam Brasil, em transmissão ao vivo pelo seu canal no Youtube, para discutir a importância da renda básica contra os impactos do coronavírus no país.

De Bolle argumenta que “todos esses dias são uma eternidade terrível para quem está passando necessidade. A pessoa acaba tendo de sair de casa, deixar de se proteger para ganhar o que precisa para comer e se contaminar pelo vírus. Isso choca.”

Segundo ela, diante de uma desigualdade social da dimensão que o país registra, o governo deveria instituir uma política de renda mínima que fosse permanente e universal, para encarar momentos críticos como o atual. Para a economista o prazo de ajuda previsto de três meses não resolve. “Três meses é pouco. A crise vai se alastrar. Tinha de ser pelo menos seis meses. Prorrogáveis para doze, isso seria o ideal”, disse ela, destacando que a economia deve estar a serviço das pessoas. “Isso torna as pessoas cidadãs. Não tem nada a ver com ideologia atrelada – direita, centro, esquerda. “

*

Na outra ponta, o próprio Roberto Afonso, professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), em entrevista ao jornal O Globo, Afonso classifica como pífio o volume de recursos anunciados até aqui pelo governo para combater a crise do coronavírus, sem comparado com o de outros países.

Segundo ele, a expansão do gasto público é a única alternativa para tentar conter os efeitos da pandemia sobe a economia. Caso contrário, corremos o risco de ter de encarar uma depressão, o que acarretaria um cenário muito pior do que o projetado até agora.

Estudos da consultoria Tendências, citados pelo jornal, esses recursos seriam da ordem de R$ 345 bilhões, ou 4,7% do PIB. Países europeus como Espanha, um dos mais afetados pela Covid 19, e Reino Unido já teriam anunciado programas de incentivo na base de 17% do PIB. Alemanha e França, 12 e 13%, respectivamente. Os Estados Unidos acenam com valores que devem superar os 11%, de acordo com levantamento divulgado pelo Observatório de Política Fiscal, ligado ao Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas.

“Aumentar gastos é inevitável para se defender da guerra.”, defende Afonso, para quem “cabe ao governo calcular” o montante necessário. “Mais do que nunca precisamos de mais estudos e debates técnicos. Infelizmente, a política está retardando ou atrapalhando.”. Leia-se Jair Bolsonaro.

*

Desde o início da semana, o ministro-chefe da Casa Civil, general-de-exército Walter Souza Braga Netto é o novo chefe do Estado-maior do Comando do Exército. Na prática, é ele quem dá as cartas no governo Bolsonaro. A informação foi divulgada pelo site DefesaNet, de caráter militar, na segunda-feira (30) (e reproduzida por Luis Nassif hoje (2) no portal GGN) e teria sido resultado de “reuniões complexas, um acordo “por cima”, envolvendo ministros e comandantes militares e o próprio Bolsonaro.

Braga Netto foi interventor do Rio de Janeiro e sua missão atual seria “reduzir a exposição do presidente, “deixando-o democraticamente se comportar como se não pertencesse ao seu próprio governo.” Ainda de acordo com o site, o general passaria a “enfeixar as ações do Executivo na crise, podendo inclusive contrariar declarações de Bolsonaro.

DefesaNet afirma que “para muitos” a missão de Braga nada mais é do que uma intervenção militar coordenando o governo. No dia seguinte à publicação, Carlos Bolsonaro, o 002 postou o seguinte no Twiter: “É muito mais valoroso conversar com um humilde inteligente soldado do que com um general que não apita porra nenhuma.”

Será?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s